ESCREVER SEM PENSAR NO QUÊ





Procuro respostas inacabadas a questionamentos internos que se amontoam em meio a um turbilhão infinito de emoções constantes, cortantes e apaixonantes.



sábado, 15 de março de 2008

Viagem



O atípico falou mais alto, tão alto que me buscou lá em baixo para me levar às estrelas. Scripts perdem força quando a atmosfera bagunçada comprova o que antes permanecia ilusório e distante. Prezo tanto pelo equilíbrio, como posso estar abrindo os braços para voar nesse céu azulado com as asas quebradas com alguém que me rouba violentamente - de forma dócil e apressada -, e me leva para aquele lugar para brincar com os desenhos dessas nuvens que nos esbarram no meio de um cenário absolutamente adolescente?

É um medo de cair, mesmo sabendo que seus braços estarão estendidos aguardando um cuidar pueril. Mesmo sabendo que você vai me buscar de balão, e me mostrará as mais diferentes cores nesse mundo cinzento que é o universo visto daqui debaixo.


Um misto contraditório. Um compilado de negação e surpresa acrescido de ‘não quero mais ir embora’, com um ‘passei apenas para dar um oi’. Impossível seguir o destino racional quando o destino emocional já se incumbe de cuidar de tudo sozinho. Mas peralá, pra onde estão me levando? Assusta-me não conhecer a direção do cata-vento.

Sem nem perceber embarquei nessa viagem rumo a um desconhecido alucinante. Fiquei tonta sem sentir dor. Fiquei atordoada sem sentir o incômodo de sapato apertado, embora estivesse gritando de forma inaudível: ‘vamos parar por aqui que não tem nada a ver comigo, pois tudo isso não passa de uma ilusão criativa e desesperada por um encontro definitivo, pra sempre’. Afinal de contas, já passou da hora de brincar de casinha sem ter teto para se esconder nos dias de tempestade.


Uma luta em vão. De repente, sem nem passagem, aterrizei naquele planeta americano absolutamente brasileiro. Foi quando a troca de fluídos corporais desencadeou uma enxurrada de certezas confusas. E era tão verdade. Uma contradição menos aleatória, mais sensitiva que sabe o que está fazendo, mas mesmo assim se pergunta se é isso mesmo. E tudo aquilo que afirmei durante todos os anos que acompanham essa minha existência em constante construção, onde é que fica?

Sim, sou movida por aquele que bate aqui dentro do peito, não há sequer dúvidas disso. Mas os porquês que completam essa essência sincera que se aglomeram demais nessa massa mental que não pára, estão ávidos por um pouco de atenção. Eles sentem uma necessidade quase que vital de continuar a jornada da compreensão dos movimentos humanos em busca de um sorriso puro. Só te peço para ir com mais calma. Só um pouquinho.



Trilha Sonora (não podia ser diferente…rs): o rouquinho com cara de ’baby can I hold you’ mais fofo do circuito da música mundial – Undiscovered, de James Morrison.

I look at you, you bite your tongue
You don't know why or where I'm coming from
But in my head I'm close to you
We're in the rain still searching for the sun
You think that I want to run and hide
That I keep it all locked up inside
but I just want you to find me
I'm not lost, I'm not lost, just undiscovered
And when we're alone, we're all the same as each other
You see the look that's on my face
You might think I'm out place
I'm not lost
No no, just undiscovered
Well the time it takes to know someone
It all can change before you know it's gone
So close your eyes and feel the way I'm with you now
Believe there's nothing wrong
Nothing wrong

2 comentários:

Leandro disse...

Definitivamente me impressionei com a qualidade do texto acima. Você parece demonstrar seus sentimentos, emoções e vivência de maneira muito sutil, utilizando sabiamente as palavras. Adorei. Dá até para se distrair e viajar por essas linhas descritas!
Parabéns!
Irei me esforçar para ler todos! rs!

Leandro

Anônimo disse...

Luli,

É muito bom ler oq vc escreve... É realmente um turbilhão de emoções como vc diz...
São palavras sinceras, que retratam tudo aquilo que conversamos... Palavras que aliviam, que as vezes se tentasse falar não soaria assim, tão puro, tão bonito..
Fico extremamente feliz em saber que vc está se permitindo viver coisas novas!
Torço por vc sempre e sempre!!! =)

PARABÉNS!!!
bjinhos da sua 'maninha' Clá