ESCREVER SEM PENSAR NO QUÊ





Procuro respostas inacabadas a questionamentos internos que se amontoam em meio a um turbilhão infinito de emoções constantes, cortantes e apaixonantes.



domingo, 26 de fevereiro de 2012

Tentando decifrar vontades. Esconder desejos. Projetar sonhos. Suspender a entrega ainda tímida por pedidos mudos, calados. Entender além de circunstâncias idealizadas e irreais. Querendo mergulhar em sintonias sincronizadas, inerentes a réplicas analfabetas.

[E essa lucidez que não nos livra dos dramas cotidianos... E essa aridez que não permite o brotar de sementes gestacionais em terrenos já acometidos por ervas daninhas].

Silêncio suspenso descarrega traduções ilegíveis ansiosas por resultados concretos. Simples, reais, verdadeiros. Disfarço a urgência para que não percebam um querer quase que necessário para um amanhã digno de um vivenciar pleno.Engulo doses de paciência e distraio momentos irreconhecíveis que percorrem a trotes descompassados com a plena sabedoria de que o estar pronto é muito mais importante do que o receber propriamente dito.

Nada é absoluto.
Tudo é permitido.
E tenho dito!!

2 comentários:

Marina Lima Tomas disse...

Gostei!Lembrou um pouco de mim e minha busca diária pelo Equilíbrio! Abraços

Luciana Leitão disse...

Que bom! Obrigada pela visita. Apareça mais vezes. Bjs